domingo, 28 de junho de 2009

a razão da emoção

"O que a gente teve, não perde. As lembranças estão dentro de nossa memória. Quando uma tragédia assim acontece, o que se perde é o prosseguimento, é o futuro. E o futuro é virtual, uma expectativa de algo que damos como certo, mas não é. Não se perde o passado. Isso pode parecer meramente racional - e é, porque a emoção não se traduz. Não se perde alguém que existiu. O que se perde é uma expectativa. Isso não é consolo, mas pode ajudar a retomar a vida. Pensar não no que perdi, mas no que tive o privilégio de viver. O passado precisa ser uma referência para a gente se nutrir. E não para se lamentar. Há várias formas de conviver com a saudade."
Luiz Alberto Py - Psicanalista, em coluna de Ruth de Aquino, revista Época.

2 comentários:

  1. nossa, adorei isso! tem tudo a ver com o meu post gigante...

    ResponderExcluir